sábado, 22 de setembro de 2012


No peito,
uma ânsia de mar ardendo
e reinventando naufrágios -
água bruta em pedra frágil.

Na pele, o frio:
viu o tempo fechar
e adquiriu seus tons.

Se deixou carregar, nuvem pesada.

Anda com olhos de dias nublados.


(Mateus Borba)

Um comentário:

  1. E nestes dias sonho ainda mais com palavras que completem as minhas.

    ResponderExcluir