sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Eu estou cansado

Deve ser a idade
O tempo 
Ou esse vento atravessado

Sei lá

Talvez o exercício pesado
Que é existir

Talvez seja a noite
Essa lua meio embriagada
Que despencou de repente
Ou a maré baixa que não quebra ondas
Um suspiro desavisado
De quem não sabe de nada

Eu suspiro
E não sei de nada
Nem de maré, nem de vento

Eu sigo, e só isso:
Não tento

Da intenção, sou espuma
Do plano, o que se desarruma
Da estrada, porteira fechada

Explícito
Mau tempo
Sobre coisas
Inacabadas


(Mateus Borba)

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Sinto-em assim também. Mas alegro-me com sua existência. Precisamos de poetas que mesmo cansados, não desistam de ser quem são.

    ResponderExcluir